Desempenho acadêmico de alunos da Engenharia Naval e Oceânica é reconhecido por organização internacional de referência em classificação de navios

Publicado em: 22/11/2021 Escola Politécnica da UFRJ
Compartilhar:

Os alunos de Engenharia Naval e Oceânica da Escola Politécnica da UFRJ Glauber Amarante, Renata Bohrer e Rodrigo Soares serão contemplados com o prêmio ABS Award Brasil, de uma das principais organizações de classificação de navios do mundo, a American Bureau of Shipping (ABS). Esta é a segunda vez que alunos da instituição são premiados. A cerimônia será realizada de maneira virtual no próximo dia 26, às 14h.

Os alunos Glauber Amarante, Renata Bohrer e Rodrigo Soares

Os três formandos foram indicados a partir de seleção interna, na qual uma comissão composta pelos cinco membros docentes que formam o Núcleo Docente Estruturante da Engenharia Naval e Oceânica avaliou critérios como coeficiente de rendimento acumulado (CRA), participação em intercâmbio acadêmico internacional, trabalhos publicados e atividades complementares especiais (iniciação científica, estágio, monitoria, equipes de competição, administração de empresa júnior, entre outras atividades).

“O prêmio representa o reconhecimento do trabalho, esforço e dedicação dos alunos, bem como do corpo docente e técnico administrativo da Politécnica. Os alunos premiados colocam luz na qualidade da formação que nossos alunos recebem, reconhecida no âmbito acadêmico e profissional”, avaliou o coordenador do curso de Engenharia Naval e Oceânica da Politécnica-UFRJ, professor Luiz Felipe Assis.

Ele também destacou o papel da ABS para o ensino: “Trata-se de uma organização internacional e tradicional que tem longa atividade na indústria marítima brasileira e antiga profícua relação com a UFRJ. É importante uma empresa do porte da ABS reconhecer a relevância da atividade desenvolvida pelas universidades no país”.

Rodrigo Soares celebrou a conquista, tão próxima de sua colação de grau. “O prêmio tem grande significado em minha carreira profissional e vida pessoal. Ele indica que todo o esforço que venho fazendo para desenvolver-me como engenheiro, seja com boas notas ou atividades extracurriculares, não tem sido em vão. Também coroa o esforço da minha família e demais pessoas que me guiaram durante toda a caminhada na UFRJ”.

Já o aluno Glauber Amarante, lembrou dos desafios ao longo de sua graduação. “Foi uma jornada difícil. Saí do interior de São Paulo com 17 anos, e na UFRJ passei por um processo de reavaliação de quem eu era, mas mesmo assim, mantive boas notas e fui selecionado para uma bolsa de duplo diploma na França. Esse prêmio serve de impulso para finalizar a graduação e então me dedicar não mais para ser um estudante premiado, mas sim um profissional de qualidade”.

Renata Bohrer, aluna do último período, destacou o papel de sua família para conquista. “Foi um esforço não apenas meu, mas da minha família ao escolher investir nos meus estudos, sonhos e formação. Por isso, a verdade é que se hoje cheguei até aqui é porque as mãos de muitos me sustentaram e ajudaram. Eu só posso agradecer a todos que fizeram parte dessa jornada. Ser reconhecida pela minha dedicação reforça em mim o sentimento de que valeu a pena o esforço e que mesmo não conseguindo vencer todas as batalhas, valeu a pena lavar o rosto e recomeçar todos os dias”.